Senac

Rio Grande do Sul

Artigo

A presença italiana nos 100 anos de Erechim

por Bruna Gorete Mazzonetto - Docente do Senac Erechim

A chegada dos italianos no Rio Grande do Sul aconteceu no final do século XIX e início do século XX. Inicialmente, a partir de 1875, os imigrantes se instalaram nas colônias de Conde D´Eu, Dona Isabel, Caxias, Alfredo Chaves, Cotiporã e Encantado, e a partir de 1887 na Colônia Silveira Martins. Foram aproximadamente 74 mil italianos que ingressaram no Rio Grande do Sul naquele período. A elevada natalidade das famílias italianas gerou a migração interna, fazendo com que os filhos dos imigrantes buscassem colônias novas, locomovendo-se para a região do Alto Uruguai. A demarcação das terras do espaço, que viria a ser a Colônia Erechim, iniciou em 1904, mas foi em 1910 que oficialmente começaram a chegar os migrantes das colônias velhas.

O Governo Estadual havia nomeado duas companhias colonizadoras para a Colônia Erechim: a ICA e a LUCE ROSA. A primeira instalou famílias judaicas em Quatro Irmãos e Erebango e a segunda instalou famílias de outras origens em Erechim, Gaurama, Mariano Moro, Três Arroios, Severiano de Almeida e Aratiba. As famílias de origem italiana eram as que predominavam. Entre 1916 e 1926, a LUCE ROSA acomodou mais de 1.100 famílias, sendo 700 de origem italiana, 325 alemã, e o restante de outras etnias.

O trabalho, que movia a vida dos colonizadores, se deu principalmente por meio da agricultura. Havia o trem que auxiliou no desenvolvimento da região. Igrejas e escolas foram construídas. As atividades do comércio começaram a se desenvolver, indústrias surgiram e clubes e entidades movimentavam a vida social de Erechim. Em 1918 Erechim se emancipou, desmembrando-se do município de Passo Fundo. A denominação Erê-chim é a atribuição feita pelos indígenas a um lugar onde havia um campo pequeno, local que foi transformado pela chegada de um misto de etnias.

Sem dúvida, a contribuição dos colonizadores italianos teve grande importância no desenvolvimento de Erechim e da região Alto Uruguai. No aniversário de 100 anos do município, seus descendentes perpetuam o legado de seus antepassados por meio do trabalho e de hábitos da cultura italiana. O aniversário é um momento para recordar, mas principalmente para projetar possibilidades que a história traz nos dias de hoje e para o futuro: o cultivo da italianidade através do idioma e do resgate das origens pode aproximar oportunidades.

Referência: Livro “Vozes – Sentimentos Construções, Colonização Italiana no Alto Uruguai Gaúcho” de Neusa Cidade Garcez (2009)

Serviços
Institucional
Contato
Top of mind 2018
Top de marketing ADVB 2018
Great Place to Work 2018
Top Ser Humano 2018
Nós apoiamos o Pacto Global
Melhores em Gestão 2018
Utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade para melhorar sua experiência em nossos sites e personalizar a entrega de conteúdo do seu interesse. Ao continuar navegando, você concorda com essas condições.